Mostrando postagens com marcador dificuldades. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dificuldades. Mostrar todas as postagens

sábado, 13 de maio de 2017

ORAÇÃO PODEROSA A SANTA EDWIGES PARA PAGAR DÍVIDAS



Por sua conhecida história de vida, cercada de milagres e benfeitorias aos pobres, Santa Edwiges tornou-se a protetora dos endividados. Sendo assim, a bênção da santa é solicitada e a oração poderosa direcionada a ela é milagrosa e infalível para pessoas que possuem muitas dívidas ou que enfrentam problemas para conseguir um emprego ou sair da pobreza.
Conheça, a seguir, duas versões de oração poderosa para pagar suas dívidas. 

ORAÇÃO PODEROSA A SANTA EDWIGES


Esta oração poderosa é extremamente forte e, se realizada com fé, pode auxilia-lo a pagar suas dívidas. Ao realiza-la, escreva o valor da dívida e coloque em seu cantinho de orações.

 “Ó Santa Edwiges,
Vós que na terra fostes o amparo dos pobres,
A ajuda dos desvalidos e o socorro dos endividados,
E no céu agora desfrutas do eterno prêmio da caridade que na terra praticaste
Suplicando te peço que sejais a minha advogada,
Para que eu obtenha de Deus
O auxílio que urgentemente preciso (fazer o pedido)
Alcançai-me também a suprema graça, da salvação eterna,
Santa Edwiges, rogai por nós,
Amém!"

quinta-feira, 11 de maio de 2017

PROBLEMAS FINANCEIROS? Peça ajuda a Santa Edwiges.


Santa Edwiges, a Protetora dos Pobres e Endividados!
Conheça sua poderosa oração!

Duquesa da Silésia, Edwiges nasceu em 1174, em Breslau, na Polônia. ...
Dos sete filhos que teve, apenas Gertrudes sobreviveu. Edwiges optou pela vida monástica depois da
morte de seu marido, retirando-se para o mosteiro cisterciense que ela mesma fundou em Trebnitz. 


Oração para Santa Edwiges:

Senhor meu Deus, Todo Poderoso, Criador do céu e da terra, Vós que tudo regulais em justiça e Misericórdia, aceitai a prece que humildemente Vos dirijo por intermédio de Santa Edwiges, Vossa serva, que tanto Vos amou, na terra, e que usufrui da graça de contemplar Vossa Divina Face.

Santa Edwiges, que pelos vossos merecimentos, pelas vossas virtudes e pela ardorosa fé em Nosso Senhor Jesus Cristo, fostes por Deus constituída em protetora dos pobres e endividados, dos que sofrem aflições pela carência de recursos, vinde em meu auxílio e levai à presença do Filho de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, o apelo que vos faço. Vinde em meu socorro, Santa Edwiges, atendei à minha súplica, dispensai a este vosso humilde devoto a vossa proteção proporcionando-me os meios de vencer esta crise, de obter os recursos suficientes para atender aos meus credores, a fim de pagar o que devo a ..............., de modo que volte a paz e a tranquilidade ao meu espírito.

Confiando em vossos méritos, em vossa caridade, peço Santa Edwiges, lançardes vossa bondosa complacência sobre mim. Assim seja.

Santa Edwiges, protetora dos pobres, rogai por nós.
Santa Edwiges, protetora dos endividados, rogai por nós.
Santa Edwiges, rogai por nós.
(rezar um Pai-Nosso e uma Ave-Maria)

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Papa: não à teologia do ‘pode e não pode’; deixar-se guiar pelo Espírito


Francisco durante a celebração matutina
24/04/2017 11:31
Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco celebrou a missa, nesta segunda-feira (24/04), na Casa Santa Marta, primeira missa matutina após a pausa das festividades pascais. 
 
O Conselho dos Nove Cardeais (C9), que se reúne com o Santo Padre, no Vaticano, a partir desta segunda-feira até a próxima quarta-feira, 26, também participou da celebração eucarística na Casa Santa Marta.
O encontro de Nicodemos com Jesus e o testemunho de Pedro e João depois da cura de um homem coxo de nascença foram o centro da homilia do Papa Francisco. 
“Jesus explica a Nicodemos, com amor e paciência, que é preciso nascer do alto, nascer do Espírito. Portanto, mudar de mentalidade.” Para entender melhor isso, o Papa refletiu sobre a Primeira Leitura da liturgia do dia, extraída do Livro dos Atos dos Apóstolos. “Pedro e João curaram um homem coxo de nascença, e os doutores da lei não sabiam como fazer, como esconder este fato público.”
No interrogatório, Pedro e João “respondem com simplicidade” e quando são intimados a não falar mais sobre o assunto, Pedro responde: “Não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido. Continuaremos assim.”

“Eis a concretude de um fato, a concretude da fé” em relação aos doutores da lei que “querem negociar para alcançar um acordo”: “Pedro e João têm coragem, franqueza, a franqueza do Espírito que significa falar abertamente, com coragem, a verdade, sem nenhum pacto. Este é o ponto, a fé concreta”: 
“Às vezes, esquecemo-nos de que a nossa fé é concreta: o Verbo se fez carne, não se fez ideia: tornou-se carne. Quando rezamos o Credo dizemos coisas concretas: Creio em Deus Pai que fez o céu e a terra, creio em Jesus Cristo que nasceu, que morreu...’. São coisas concretas. O Credo não diz: Creio que devo fazer isso, que devo fazer aquilo ou que as coisas são para isso...’ Não! São coisas concretas. A concretude da fé que leva à franqueza, ao testemunho até o martírio, não faz pactos ou idealização da fé.”
“Para os doutores da lei, o Verbo não se fez carne, mas lei. É preciso fazer isso só até aqui. Deve ser feito isso e não aquilo”: 
“E assim, se engaiolaram nesta mentalidade racionalista que não terminou com eles, hein? Na História da Igreja muitas vezes, a própria Igreja que condenou o racionalismo, o Iluminismo, caiu nesta teologia do ‘pode e não pode’, do ‘até aqui e até lá’, e se esqueceu da força, da liberdade do Espírito, do renascer do Espírito que nos dá a liberdade, a franqueza da pregação e de anunciar que Jesus Cristo é o Senhor.” 
“Peçamos ao Senhor esta experiência do Espírito que vai e vem e nos leva adiante, do Espírito que nos dá a unção da fé, a unção da concretude da fé”: 
”O vento sopra onde quer e ouve-se a sua voz, mas não se sabe de onde vem e nem para onde vai. Assim é todo aquele que nasce do Espírito: ouve a voz, segue o vento, segue a voz do Espírito sem saber aonde terminará, pois optou pela fé concreta e pelo renascimento no Espírito. Que o Senhor dê a todos nós este Espírito pascal a fim de caminhar nas estradas do Espírito sem acordos, sem rigidez, mas com a liberdade de anunciar Jesus Cristo assim como Ele veio: em carne.”
(MJ)

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Edwiges: sempre atenta aos necessitados!!


Na celebração de canonização de Edwiges, no ano de 1267, o Papa Clemente 4º a apresentava como exemplo digno de ser imitado no que se refere à pratica do amor ao próximo. Chegou até a indicar alguns trechos da Escritura em que Edwiges se inspirava para sua assistência social e auxílio dos necessitados.
O Papa disse que Edwiges gravou em seu coração as palavras do Senhor: “Sede pois, misericordiosos 
como também vosso Pai é misericordioso” (Lucas 6, 36). Edwiges espalhava o bem entre os necessitados, com rapidez e decisão, como se tivesse sempre em mente as palavras do Evangelho: “E respondendo, o Rei lhes dirá: ‘Em verdade vos digo que, quantas vezes vós fizestes isto a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim é que o fizestes’” (Mateus 25, 40).
Edwiges ajudava os pobres, cuidava dos doentes e famintos, tratava com carinho e atenção às parturientes e jamais esquecia as viúvas e órfãos. Em qualquer parte onde pudesse perceber necessidades e falta de recursos, acorria em auxílio, guiada pelo amor de seu coração. E não fazia isto como outras princesas ou rainhas que mandavam seus serviçais, mas sim ia pessoalmente e apresentava sua ajuda, seguindo as palavras do Mestre que diz: “Bem-aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia” (Mateus 5, 7).
A Duquesa Edwiges tinha como princíío que nenhum dos pobres e necessitados sofresse fome no castelo ducal de Wroclaw. Isto motivou-a a construir uma cozinha para os pobres sob a direção de um cozinheiro experiente. Para os que tinham forme havia um cozinheiro e auxiliares à vontade.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

A Igreja nasceu missionária!, diz Papa Francisco.

“A Igreja Católica e Apostólica”: este foi o tema da catequese feita pelo Papa na manhã desta quarta-feira, 17, na audiência geral a peregrinos e turistas, na Praça São Pedro.
Mais de 20 mil pessoas, segundo dados da Prefeitura Vaticana, participaram do encontro e ouviram as palavras do Papa. Antes, como sempre, receberam o carinho de Francisco, que circundou a Praça com o ‘papamóvel’ detendo-se várias vezes para saudar mais de perto os fiéis.
Como professamos no Credo, a Igreja é católica e apostólica”, começou o Papa. “Mas qual é efetivamente o significado destas duas características da Igreja?”, perguntou Francisco, respondendo:
A Igreja é Católica porque é universal: tem a missão de anunciar a Boa Nova do amor de Deus até os confins do mundo, ensinando todas as verdades que os homens precisam conhecer para bem viverem a sua vocação fraterna de cidadãos da terra e do Céu”, começou. “E é Apostólica porque é missionária: como os apóstolos, e em continuidade com eles, foi enviada a todos os homens para anunciar o Evangelho e preparar a vinda do Senhor com os sinais da ternura e do poder de Deus”.
E o que estas duas características, Católica e Apostólica, comportam para as comunidades cristãs e para cada um de nós?”. Eis a resposta do Papa:
Antes de tudo, significa ter em nosso coração a salvação de toda a humanidade; não sentirmo-nos indiferentes ou apáticos diante da dor de nossos irmãos, mas sim abertos e solidários com eles. Significa também ter o sentido da plenitude, da completeza, da harmonia da vida cristã, rechaçando sempre opiniões parciais ou unilaterais que nos fecham em nós mesmos”.
Fazer parte da Igreja Católica e Apostólica é estar consciente de que a nossa fé está ancorada no anúncio e testemunho dos Apóstolos; é sentirmo-nos sempre enviados, em comunhão com os sucessores dos Apóstolos, a anunciar com alegria Cristo e o seu amor a toda a humanidade”.
Improvisando algumas palavras a partir do texto preparado, Francisco voltou a lembrar que a Palavra de Deus está disponível em quase todas as línguas do mundo e que ter sempre um pequeno Evangelho de bolso conosco, para ler alguns trechos durante o dia, “faz muito bem”.
A Igreja, universal e missionária, conta com a assistência do Espírito Santo, que a faz continuamente ‘sair de si mesma’ e ir ao encontro dos irmãos; o Espírito evita que nos consideremos um grupo limitado de eleitos, únicos destinatários da bênção de Deus”.
Terminando a catequese, em comunhão com os presentes, o Papa se dirigiu ao Senhor pedindo que renove em nós o dom do Espírito para que cada comunidade cristã e cada batizado seja expressão da santa Mãe Igreja, Católica e Apostólica.
1_0_825692Em suas saudações, o Papa cumprimentou os grupos provenientes dos estados de São Paulo e Paraná, invocando sobre todos e suas famílias a abundância dos dons do Espírito Santo, “para que tenham o sentido da plenitude e da harmonia da vida cristã”.
No final do encontro, Francisco concedeu a sua benção apostólica.
FacebookTwitterGoogle+WhatsAppMySpacePrintBlogger PostEmailGoogle GmailOutlook.comYahoo MailLinkedInEvernoteAOL MailWebnews

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Às vezes, apenas “dizemos orações”com os lábios.

- O que a Palavra diz?
Leio atentamente, na Bíblia,  Lc 11,1-4.
Um dia Jesus estava orando num certo lugar. Quando acabou de orar, um dos seus discípulos pediu:
- Senhor, nos ensine a orar, como João ensinou os discípulos dele.
Jesus respondeu:
- Quando vocês orarem, digam:
"Pai, que todos reconheçam que o teu nome é santo.
Venha o teu Reino. Dá-nos cada dia o alimento que precisamos.
Perdoa os nossos pecados, pois nós também perdoamos
todos os que nos ofendem.
E não deixes que sejamos tentados."
Neste texto Jesus nos ensina a orar, respondendo à solicitação dos discípulos.  Propõe uma oração breve. Mais breve que a de Mateus (Mt 6,9-15). Esta oração do Pai Nosso  traduz a experiência do povo, suas provações no deserto, o maná de cada dia, a vontade de Deus, o seu reinado. Apresenta cinco pedidos ao invés de sete. Indica a atitude que devemos assumir ao orar: não ficar repetindo fórmulas, muito menos de forma longa. E ainda, ter atitude de confiança no Pai que já sabe tudo de que necessitamos. A invocação "Pai" ilumina o restante:
- que seja respeitado o nome de Deus que é Pai;
- que venha o Reino de Deus isto é, que Deus seja quem orienta e rege a história;
- pede o alimento de cada dia; se é o pão quotidiano refere-se à nossa vida aqui; se é o pão de amanhã, refere-se à vida eterna.
- Perdoa os nossos pecados,  pois nós também perdoamos todos os que nos ofendem.
- E não deixes que sejamos tentados.
O perdão não depende apenas de nosso querer. É dom de Deus que ele nos oferece e que devemos acolher.
Thomas Merton diz que, assim como somos, rezamos. E diz mais: “O homem que não reza, é alguém que tentou fugir de si mesmo, porque fugiu de Deus”.

2. Meditação(Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
Às vezes, apenas “dizemos orações”com os lábios.
Nosso coração, nossos sentimentos e pensamentos estão distantes.
Jesus nos ensina, de maneira muito simples, a orar:
1º Assumir a atitude de filhos e irmãos: Pai nosso.
2º Reconhecer o nome de Deus como “santo”.
3º Pedir que o Reino de Deus se instaure entre nós.
4º Dispor-nos a fazer a vontade de Deus.
5º Fazer os pedidos para o dia-a-dia: o pão, o perdão, a libertação de toda tentação e mal.
Os bispos, na V Conferência, em Aparecida, disseram: “Nos diferentes momentos da luta cotidiana, muitos recorrem a algum pequeno sinal do amor de Deus: um crucifixo, um rosário, uma vela que se acende para acompanhar um filho em sua enfermidade, um Pai Nosso recitado entre lágrimas, um olhar entranhável a uma imagem querida de Maria, um sorriso dirigido ao Céu em meio a uma simples alegria.” (DAp 261).

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Santa Edwiges, socorro dos necessitados


Santa Edwiges nasceu em 1174 na Alemanha. Filha de Bertoldo IV, duque de Merânia, e de sua esposa, Inês de Rochlitz.1 , foi criada em ambiente de luxoriqueza, o que não a impediu de ser simples e viver com humildade. O seu bem maior era o amor total a Deus e ao próximo.
Aos 12 anos, casou-se com Henrique I, o Barbudo, príncipe da Silésia (um dos principados da Polônia medieval e atual região administrativa da Polônia), com quem teve seis filhos, sendo que dois deles morreram precocemente. Culta, inteligente e esposa dedicada, ela cuidou da formação religiosa dos filhos e do marido.
Mulher de oração, vivia em profunda intimidade com o Senhor. Submetia-se ao sacrifício de jejuns diários, limitando-se a comer alguns legumes secos nos Domingos, Terças, Quintas e Sábado. Nas Quartas e Sextas-feiras somente pão e água. Isto sempre em quantidade limitada, somente para atender as necessidades do corpo.
No tempo do Advento e da Quaresma, Edwiges se alimentava só para não cair sem sentidos. O esposo não aceitava aquela austeridade. Numa Quarta-feira de Quaresma ele esbravejou por haver tão somente água na mesa sendo que ele só bebia vinho. Edwiges então ofereceu-lhe uma taça, cujo líquido se apresentou como vinho. Foi um dos muitos sinais ou milagres que ela realizou.
Algum tempo depois Edwiges caiu vítima de uma grave enfermidade. Foi preciso que Guilherme, Bispo de Módena, representante do Papa para aquelas regiões, exigisse com uma severa ordem a interrupção de seu jejum. A Santa dizia que isto era mais mortificante do que a sua própria doença.
Dedicou toda sua vida na construção do Reino de Deus. Exerceu fortes influências nas decisões políticas tomadas pelo marido, interferindo na elaboração de leis mais justas para o povo.
Junto com o marido construiu IgrejasMosteirosHospitaisConventos e Escolas. Por isto, em algumas representações aSanta aparece com uma Igreja entre as mãos.
Aos 32 anos, fez votos de castidade, o que foi respeitado pelo marido. Quando ficou viúva, foi morar no Mosteiro deTrebnitz, na Polônia, onde sua filha Gertrudes era superiora. Foi lá que Edwiges deu largos passos rumo à santidade. Vivia com o mínimo de sua renda, para dispor o restante em socorro dos necessitados. Ela tinha um carinho especial pelas mulheres e crianças abandonadas. Encaminhava as viúvas para os conventos onde estariam abrigadas em casos deguerra e as crianças para escolas, onde aprendiam um ofício. Era misericordiosa e socorria também os endividados. Em certa ocasião, quando visitava um presídio, ela descobriu que muitos ali se encontravam porque não tinham como pagar as suas dívidas. Desde então, Edwiges saldava as dívidas de muitos e devolvia-lhes a liberdade. Procurava também para eles um emprego. Com isto eles recomeçavam a vida com dignidade, evitando a destruição as famílias em uma época tão difícil como era aquela do século XIII. E ainda mantinha as famílias unidas.
Assim, Santa Edwiges, é considerada a Padroeira dos pobres e endividados e protetora das famílias. Sua morte ocorreu no dia 15 de outubro de 1243. E foi canonizada no dia 26 de março de 1267, pelo Papa Clemente IV. Como no dia 15 de Outubro celebra-se Santa Teresa de Ávila, a comemoração de Santa Edwiges passou para o dia 16 de Outubro. Modelo de esposa, celibatária e viúva, a Santa não faltava à Missa aos Domingos, e isto ela pede aos seus devotos: mais amor aJesus na Eucaristia e auxílio aos necessitados.

sábado, 13 de setembro de 2014

Na Igreja, nas comunidades, na vida das pessoas, sempre chega um terremoto, e de repente. Deus permite isso por que precisamos deixar as seguranças, as estruturas


Prado Flores
Foto: Robson Siqueira/cancaonova.com
As prisões no tempo de Jesus eram de 2 andares. No térreo era a cela, no andar superior vivia o carcereiro e no subsolo estavam os prisioneiros mais perigosos. Conforme o livro dos Atos dos Apóstolos no capítulo 16, o carcereiro recebe a ordem de prender Paulo e Silas no andar subterrâneo. São acorrentados nas mãos e nos pés. Era meia noite.
Se hoje como seguidor de Jesus você está no subterrâneo é sinal de que você não pode ir mais para baixo.
Se você está sendo preso, está na "meia noite", é sinal de que em instantes começará um novo dia.
Mesmo presos, Paulo e Silas permaneciam louvando a Deus. Paulo não se lamentou dizendo "ah Deus, estou fazendo sua vontade e olha onde cheguei!" Não! Eles cantavam os salmos, os cânticos, os hinos do antigo testamento, por que tinham em seu coração e na sua memória a Palavra de Deus. Há 40 anos atrás quando eu recebi o Batismo no Espírito Santo o maior sinal entre os carismáticos era portar a Bíblia consigo, a Palavra de Deus.
Os prisioneiros que estavam com Paulo e Silas viveram uma noite diferente. O lugar que era cheio de murmuração se transformou em local de louvor. De repente o grande terremoto que aconteceu há meia noite, quando ninguém esperava, foi instrumento de libertação. Deus gosta de intervir de repente, quando ninguém espera. Por exemplo: quando ninguém espera a conversão de um filho, Deus intervém; quantos de nós tivemos um encontro pessoal com Jesus de repente?
Na Igreja, nas comunidades, na vida das pessoas, sempre chega um terremoto, e de repente. Deus permite isso por que precisamos deixar as seguranças, as estruturas. Muitas realidades precisam de outro vento impetuoso como o de Pentecostes para fazer tudo novo outra vez.
Benditos os terremotos, porque nos fazem depender de Deus. Quando Deus abre as portas se soltam todas as correntes. Mesmo com as portas abertas e correntes quebradas os presos não fugiram porque preferiram ficar ouvindo os cânticos de Paulo e Silas.

"Deus gosta de intervir de repente, quando ninguém espera"
Foto: Robson Siqueira/cancaonova.com
Se o louvor pessoal tem poder, imagina o poder do louvor comunitário!
Como está narrado em Atos 16, a Palavra de Deus nos ensina que assim é a comunidade: lavam as feridas uns dos outros e fazem festa. Os irmãos não curam as feridas, mas lavam para não infeccionar a outros. Uma comunidade está reunida por que todos encontraram o tesouro escondido e por isso vivem em festa.
Comunidade não são as estruturas, não são os estatutos: a comunidade é uma festa!
Concluo descrevendo as 7 características de uma comunidade:
1) sofrem juntos, 
2) cantam juntos, 
3) são libertos juntos, 
4) experimentam terremotos juntos, 
5) anunciam a Palavra juntos, 
6) lavam-se de suas feridas juntos, 
7) sobem para a casa para partilhar alimento e fazer festa.

Reze para que o Espírito Santo forme você 
através da Palavra de Deus.

Aúdio: Oração após essa pregação
 
 
Transcrição e adaptação: Fernando Fantini