Mostrando postagens com marcador acolhida. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador acolhida. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Papa: oração, paciência e esperança nos momentos sombrios


Papa: oração, paciência e esperança nos momentos sombrios
09/06/2017 10:55
Cidade do Vaticano (RV) – No momentos mais difíceis, de tristeza e de dor, também diante dos insultos, é preciso escolher o caminho da oração, da paciência e da esperança em Deus, sem cair na enganação da vaidade. Foi o que disse o Papa na missa matutina (09/06) na Casa Santa Marta.
 
Em sua homilia, Francisco comentou a primeira leitura, extraída do Livro de Tobias. O Papa comentou a história “normal” de um sogro e de uma nora: Tobit – o pai de Tobias, que se tornou cego - e Sara, sua nora, acusada no passado de ter sido responsável pela morte de alguns homens. Um trecho, explicou o Pontífice, em que se compreende de que modo o Senhor leva avante “a história” e “a vida das pessoas, inclusive a nossa”. Tobit e Sara, prosseguiu, viveram de fato “momentos difíceis” e “momentos belos”. Tobit era “perseguido”, “insultado” por sua mulher, que porém – acrescentou o Papa – não era uma mulher má, “trabalhava para levar a casa para frente porque ele era cego”. E também Sara era insultata, sofrendo “muito”. Naqueles momentos, os dois pensaram que era "melhor morrer”.
“Todos nós passamos por momentos difíceis, duros, não tão difíceis como este, mas nós sabemos o que se sente num momento difícil, de dor, no momento das dificuldades, nós sabemos. Mas ela, Sara, pensa: ‘Mas se eu me enforcar provocarei sofrimento para os meus pais?’ e para e reza. E Tobit diz: ‘Mas esta é a minha vida, vamos para frente’, e reza. E esta é a atitude que nos salva nos momentos difíceis: a oração. A paciência: porque os dois são pacientes com a própria dor. E a esperança que Deus nos ouça e faça passar esses momentos difíceis. Nos momentos de tristeza, pouca ou muita, nos momentos sombrios:: oração, paciência e esperança. Não esqueçam isto”.
Depois, há também momentos bonitos na sua história. Mas o Papa sublinha que não se trata de um “final feliz” de um romance:
“Após a prova, o Senhor está próximo a eles e os salva. Mas há momentos bonitos, autênticos, como este, não aqueles momentos com beleza maquiada, que é tudo artificial, um fogo-de-artifício, mas não é a beleza da alma. E o que fazem os dois nos momentos bons? Dão graças a Deus, alargam o seu coração na oração de agradecimento”.
O Pontífice exorta então a nos perguntarmos se nas diferentes situações de nossas vidas somos capazes de discernir o que acontece em nossa alma, entendendo que os maus momentos são “a cruz” e é necessário “rezar”, ser paciente e ter pelo menos um pouquinho de esperança”: é preciso evitar cair “na vaidade”, porque “o Senhor está sempre ao nosso lado”, quando nos dirigimos a Ele “em oração”, agradecendo, além do mais, pela alegria que ele nos deu. Sara com discernimento, entendeu que não devia se enforcar; Tobit entendeu que devia “esperar, na oração, na esperança, a salvação do Senhor”. O convite de Francisco é, portanto, reler estas passagens da Bíblia:
“Quando, neste fim de semana, lermos este livro, vamos pedir a graça de saber discernir o que acontece nos maus momentos de nossas vidas e como ir avante, e o que acontece nos momentos bons e não se deixar enganar pela vaidade”. (BF-SP)

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Edwiges: sempre atenta aos necessitados!!


Na celebração de canonização de Edwiges, no ano de 1267, o Papa Clemente 4º a apresentava como exemplo digno de ser imitado no que se refere à pratica do amor ao próximo. Chegou até a indicar alguns trechos da Escritura em que Edwiges se inspirava para sua assistência social e auxílio dos necessitados.
O Papa disse que Edwiges gravou em seu coração as palavras do Senhor: “Sede pois, misericordiosos 
como também vosso Pai é misericordioso” (Lucas 6, 36). Edwiges espalhava o bem entre os necessitados, com rapidez e decisão, como se tivesse sempre em mente as palavras do Evangelho: “E respondendo, o Rei lhes dirá: ‘Em verdade vos digo que, quantas vezes vós fizestes isto a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim é que o fizestes’” (Mateus 25, 40).
Edwiges ajudava os pobres, cuidava dos doentes e famintos, tratava com carinho e atenção às parturientes e jamais esquecia as viúvas e órfãos. Em qualquer parte onde pudesse perceber necessidades e falta de recursos, acorria em auxílio, guiada pelo amor de seu coração. E não fazia isto como outras princesas ou rainhas que mandavam seus serviçais, mas sim ia pessoalmente e apresentava sua ajuda, seguindo as palavras do Mestre que diz: “Bem-aventurados os misericordiosos porque alcançarão misericórdia” (Mateus 5, 7).
A Duquesa Edwiges tinha como princíío que nenhum dos pobres e necessitados sofresse fome no castelo ducal de Wroclaw. Isto motivou-a a construir uma cozinha para os pobres sob a direção de um cozinheiro experiente. Para os que tinham forme havia um cozinheiro e auxiliares à vontade.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Papa: vencer a indiferença e construir a cultura do encontro


Papa celebra na capela da Casa Santa Marta - OSS_ROM
13/09/2016 10:38
Cidade do Vaticano (RV) – Trabalhar para construir uma verdadeira cultura do encontro, que vença a cultura da indiferença: foi o que pediu o Papa na Missa celebrada na manhã de terça-feira (13/09) na Casa Santa Marta.
 
Francisco falou do encontro de Deus com o seu povo, e advertiu para os maus hábitos que, em família, nos afastam da escuta do outro. A Palavra de Deus, iniciou o Pontífice, nos faz hoje refletir sobre um encontro. Com frequência, observou, as pessoas se “cruzam, mas não se encontram”. Cada um “pensa em si mesmo; olha, mas não vê; ouve, mas não escuta”:
“O encontro é outra coisa, é aquilo que o Evangelho hoje nos anuncia: um encontro; um encontro entre um homem e uma mulher, entre um filho único vivo e um filho único morto; entre uma multidão feliz, porque encontrou Jesus e o segue, e um grupo de pessoas, chorando, que acompanha aquela mulher, que saía de uma porta da cidade; encontro entre aquela porta de saída e a porta de entrada. O ovil. Um encontro que nos faz refletir sobre o modo de nos encontrar entre nós”.
No Evangelho, prosseguiu, lemos que o Senhor sentiu “grande compaixão”. Esta compaixão, advertiu, “não é o mesmo que nós sentimos quando andamos na rua e vemos uma coisa triste: ‘Que pena!’” Jesus não passa além, é tomado pela compaixão. Aproxima-se da mulher, a encontra realmente e depois faz o milagre.
O encontro com Jesus vence a indiferença e restitui dignidade
Neste episódio, disse o Papa, vemos não só a ternura, mas também “a fecundidade de um encontro”. “Todo encontro – retomou – é fecundo. Todo encontro restitui as pessoas e as coisas no seu lugar”: 
“Estamos acostumados com a cultura da indiferença e temos que trabalhar e pedir a graça de fazer a cultura do encontro, do encontro fecundo que restitui a todas as pessoas a própria dignidade de filhos de Deus. Nós estamos acostumados com esta indiferença, quando vemos as calamidades deste mundo ou as pequenas coisas: “Mas que pena, pobres pessoas, como sofrem”, e ir adiante. Se eu não ver – não é suficiente ver, mas olhar – se eu não paro, não olho, não toco, se não falo, não posso fazer um encontro e nem ajudar a fazer a cultura do encontro”.
Todos, sublinhou Francisco, “ficaram com muito medo e glorificavam a Deus por visitar o seu povo”. O Papa acrescentou que “eu gosto de ver aqui também o encontro de todos os dias entre Jesus e sua esposa”, a Igreja, que aguarda o Seu retorno.
Também em família podemos viver um verdadeiro encontro
“Esta – reiterou – é a mensagem de hoje: o encontro de Jesus com o seu povo”; todos somos “carentes da Palavra de Jesus”. Precisamos do encontro com Ele:
“À mesa, em família, quantas vezes se come, se vê TV ou se escreve mensagens no celular. Todos são indiferentes a este encontro. Até no fulcro da sociedade, que é a família, não existe encontro. Que isto nos ajude a trabalhar por esta cultura do encontro, tão simplesmente como o fez Jesus. Não olhar apenas, mas ver; não ouvir apenas, mas escutar; não só cruzar com os outros, mas parar. Não dizer apenas ‘que pena, pobres pessoas’, mas deixar-se levar pela compaixão. E depois, aproximar-se, tocar e dizer do modo mais espontâneo no momento, na linguagem do coração: ‘Não chore. E dar pelo menos uma gota de vida”. 
(BF/CM)

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

A Igreja nasceu missionária!, diz Papa Francisco.

“A Igreja Católica e Apostólica”: este foi o tema da catequese feita pelo Papa na manhã desta quarta-feira, 17, na audiência geral a peregrinos e turistas, na Praça São Pedro.
Mais de 20 mil pessoas, segundo dados da Prefeitura Vaticana, participaram do encontro e ouviram as palavras do Papa. Antes, como sempre, receberam o carinho de Francisco, que circundou a Praça com o ‘papamóvel’ detendo-se várias vezes para saudar mais de perto os fiéis.
Como professamos no Credo, a Igreja é católica e apostólica”, começou o Papa. “Mas qual é efetivamente o significado destas duas características da Igreja?”, perguntou Francisco, respondendo:
A Igreja é Católica porque é universal: tem a missão de anunciar a Boa Nova do amor de Deus até os confins do mundo, ensinando todas as verdades que os homens precisam conhecer para bem viverem a sua vocação fraterna de cidadãos da terra e do Céu”, começou. “E é Apostólica porque é missionária: como os apóstolos, e em continuidade com eles, foi enviada a todos os homens para anunciar o Evangelho e preparar a vinda do Senhor com os sinais da ternura e do poder de Deus”.
E o que estas duas características, Católica e Apostólica, comportam para as comunidades cristãs e para cada um de nós?”. Eis a resposta do Papa:
Antes de tudo, significa ter em nosso coração a salvação de toda a humanidade; não sentirmo-nos indiferentes ou apáticos diante da dor de nossos irmãos, mas sim abertos e solidários com eles. Significa também ter o sentido da plenitude, da completeza, da harmonia da vida cristã, rechaçando sempre opiniões parciais ou unilaterais que nos fecham em nós mesmos”.
Fazer parte da Igreja Católica e Apostólica é estar consciente de que a nossa fé está ancorada no anúncio e testemunho dos Apóstolos; é sentirmo-nos sempre enviados, em comunhão com os sucessores dos Apóstolos, a anunciar com alegria Cristo e o seu amor a toda a humanidade”.
Improvisando algumas palavras a partir do texto preparado, Francisco voltou a lembrar que a Palavra de Deus está disponível em quase todas as línguas do mundo e que ter sempre um pequeno Evangelho de bolso conosco, para ler alguns trechos durante o dia, “faz muito bem”.
A Igreja, universal e missionária, conta com a assistência do Espírito Santo, que a faz continuamente ‘sair de si mesma’ e ir ao encontro dos irmãos; o Espírito evita que nos consideremos um grupo limitado de eleitos, únicos destinatários da bênção de Deus”.
Terminando a catequese, em comunhão com os presentes, o Papa se dirigiu ao Senhor pedindo que renove em nós o dom do Espírito para que cada comunidade cristã e cada batizado seja expressão da santa Mãe Igreja, Católica e Apostólica.
1_0_825692Em suas saudações, o Papa cumprimentou os grupos provenientes dos estados de São Paulo e Paraná, invocando sobre todos e suas famílias a abundância dos dons do Espírito Santo, “para que tenham o sentido da plenitude e da harmonia da vida cristã”.
No final do encontro, Francisco concedeu a sua benção apostólica.
FacebookTwitterGoogle+WhatsAppMySpacePrintBlogger PostEmailGoogle GmailOutlook.comYahoo MailLinkedInEvernoteAOL MailWebnews

Ação Missionária Paróquia São José Vila Nova





 No final do mês de agosto iniciaremos uma ação de visita as famílias do bairro, nas vizinhanças da comunidade Santa Edwiges. Vamos ouvir, conversar e divulgar nosso espaço de culto religioso. Voluntários, seminaristas e os padres formadores, formarão grupos para percorrer as ruas, respondendo ao chamado do Papa Francisco para uma Igreja em saída.




segunda-feira, 13 de junho de 2016

Semana do Migrante segue até o próximo domingo, dia 19


Começou domingo no Brasil a 31ª Semana do Migrante, iniciativa promovida pela 
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que visa incentivar a acolhida a migrantes 
e o acompanhamento de famílias de quem vai morar no exterior.
A programação segue até o próximo dia 19, com destaque para a missa do Migrante na Paróquia São Sebastião, em Porto Alegre, na sexta-feira, dia 18, às 18h, transmitida pela Rádio Aliança.

Confira a programação
13 a 19: Programas da realidade migratória – mídia
14: Pré-Fórum Social das Migrações (CIBAI) às 18h30min. Local: Barros Cassal, 220 - Floresta
15 e 16: Encontros Imigrantes cidades interior do Estado
17: Apresentações de ALIX (grupo de canto religioso) – na Rua Duque de Caxias, 968 
18: Celebração Eucarística do Dia do Migrante (Pastoral do Migrante e LMS) na Paróquia São Sebastiã, Às 18h, transmitida pela Rádio Aliança
19: Missa na Igreja Pompéia às 10h. Após, às 12h, caminhada da Igreja até Brinque da Redenção na Barraca do Migrante com exposições
26: Celebração Eucarística do Migrante na Catedral Mãe de Deus às 18h30
 



Postado por Amanda Fetzner Efrom - Jornalista
Em 13 de junho de 2016, às 15h 12min

terça-feira, 12 de maio de 2015

Ser como Cristo é ser cristão



Ser como Cristo é ser cristão. Há uma explosividade revolucionária nesta proposta. Quando um discípulo vive a sua vida inteiramente para Deus, andando de mãos dadas com o Jesus para quem Deus é tudo, o poder ilimitado do Espírito Santo é libertado(...)

Nos anos que estão por vir nada há de mais importante do que ver a raça humana provida de uma comunidade de discípulos autênticos que, como Aquele que seguem, vivem inteiramente para Deus. Deus nos chama para essa extraordinária vida de discipulado. Não como um ideal simpático, mas como um programa de vida sério, concreto e realista para ser vivido aqui e agora por mim e por ti.

Isso é algo radicalmente diferente da religião branda e convencional(...) As nossas igrejas estão cheias de pessoas amáveis e respeitáveis. Temos abundância de cristãos para seguir Jesus na primeira metade do caminho. Muitos de nós tornaram-se tão indiferentes e convencionalmente religiosos quanto os religiosos de há dois mil anos atrás, cuja frouxidão, mediocridade e falta de paixão Jesus Cristo e os seus discípulos atacaram com todo o entusiasmo de uma nova descoberta e com toda a energia de construtores do Reino de Deus na terra. 

Uma vida vivida inteiramente para Deus é notavelmente bem alicerçada. As tuas alegrias são genuínas, a tua paz não-superficial, a tua humildade profunda, o teu poder formidável, o teu amor abrangente, a tua simplicidade como a de uma criança confiante. São a vida e o poder de Jesus de Nazaré, que ensinava que quando o olho é íntegro o corpo inteiro está cheio de luz.

Brennan Manning, in "A assinatura de Jesus"

sábado, 13 de setembro de 2014

Na Igreja, nas comunidades, na vida das pessoas, sempre chega um terremoto, e de repente. Deus permite isso por que precisamos deixar as seguranças, as estruturas


Prado Flores
Foto: Robson Siqueira/cancaonova.com
As prisões no tempo de Jesus eram de 2 andares. No térreo era a cela, no andar superior vivia o carcereiro e no subsolo estavam os prisioneiros mais perigosos. Conforme o livro dos Atos dos Apóstolos no capítulo 16, o carcereiro recebe a ordem de prender Paulo e Silas no andar subterrâneo. São acorrentados nas mãos e nos pés. Era meia noite.
Se hoje como seguidor de Jesus você está no subterrâneo é sinal de que você não pode ir mais para baixo.
Se você está sendo preso, está na "meia noite", é sinal de que em instantes começará um novo dia.
Mesmo presos, Paulo e Silas permaneciam louvando a Deus. Paulo não se lamentou dizendo "ah Deus, estou fazendo sua vontade e olha onde cheguei!" Não! Eles cantavam os salmos, os cânticos, os hinos do antigo testamento, por que tinham em seu coração e na sua memória a Palavra de Deus. Há 40 anos atrás quando eu recebi o Batismo no Espírito Santo o maior sinal entre os carismáticos era portar a Bíblia consigo, a Palavra de Deus.
Os prisioneiros que estavam com Paulo e Silas viveram uma noite diferente. O lugar que era cheio de murmuração se transformou em local de louvor. De repente o grande terremoto que aconteceu há meia noite, quando ninguém esperava, foi instrumento de libertação. Deus gosta de intervir de repente, quando ninguém espera. Por exemplo: quando ninguém espera a conversão de um filho, Deus intervém; quantos de nós tivemos um encontro pessoal com Jesus de repente?
Na Igreja, nas comunidades, na vida das pessoas, sempre chega um terremoto, e de repente. Deus permite isso por que precisamos deixar as seguranças, as estruturas. Muitas realidades precisam de outro vento impetuoso como o de Pentecostes para fazer tudo novo outra vez.
Benditos os terremotos, porque nos fazem depender de Deus. Quando Deus abre as portas se soltam todas as correntes. Mesmo com as portas abertas e correntes quebradas os presos não fugiram porque preferiram ficar ouvindo os cânticos de Paulo e Silas.

"Deus gosta de intervir de repente, quando ninguém espera"
Foto: Robson Siqueira/cancaonova.com
Se o louvor pessoal tem poder, imagina o poder do louvor comunitário!
Como está narrado em Atos 16, a Palavra de Deus nos ensina que assim é a comunidade: lavam as feridas uns dos outros e fazem festa. Os irmãos não curam as feridas, mas lavam para não infeccionar a outros. Uma comunidade está reunida por que todos encontraram o tesouro escondido e por isso vivem em festa.
Comunidade não são as estruturas, não são os estatutos: a comunidade é uma festa!
Concluo descrevendo as 7 características de uma comunidade:
1) sofrem juntos, 
2) cantam juntos, 
3) são libertos juntos, 
4) experimentam terremotos juntos, 
5) anunciam a Palavra juntos, 
6) lavam-se de suas feridas juntos, 
7) sobem para a casa para partilhar alimento e fazer festa.

Reze para que o Espírito Santo forme você 
através da Palavra de Deus.

Aúdio: Oração após essa pregação
 
 
Transcrição e adaptação: Fernando Fantini

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Os milagres são para as pessoas que caminham! Não espere por um milagre para caminhar. Caminhe para ver um milagre!

Os discípulos deixaram tudo para seguir Jesus, pois acreditam que Ele era o Messias; no entanto, o Senhor foi morto na cruz.

Caminhando lentamente para Emaús, dois discípulos sentiam-se sem coragem, pois haviam perdido tudo na vida quando deixaram tudo para seguir o Senhor. Jesus os frustrou, pois esperavam que Ele fosse o Salvador. No entanto, já não tinham mais esperança.

Meus irmãos, podemos perder tudo, mas não podemos nunca perder a esperança. Quando a perdemos, não temos forças para recuperar mais nada na vida. A melhor coisa feita por Deus é a certeza de que amanhã será um outro dia. Tudo pode estar terminado hoje, mas amanhã tudo começará novamente.

Os discípulos perderam a esperança. Caminhavam deprimidos, cabeça inclinada, falavam em voz baixa, pois pensavam que haviam perdido. Mas depois, voltaram felizes pelo mesmo caminho, recuperados em sua motivação.

Mas qual o segredo? O que aconteceu para que recuperassem a esperança quando regressavam pelo mesmo caminho? Quando caminhavam, tristes, para Emaús, Alguém se aproximou deles e lhes perguntou:

“'O que andais conversando pelo caminho?' E um deles lhe disse: 'És tu o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes dias?' Ele perguntou: 'Que foi?' Eles responderam: 'O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e diante de todo o povo'” (Lc 24,17-19).

Eles conheciam bem Jesus, Sua vida e Seus milagres, mas quando falavam da ressurreição, não sabiam nada; apenas repetiam o que as mulheres haviam dito. Mas esse Homem que caminhava com eles lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! Não era necessário que o Cristo sofresse tudo isso para entrar na sua glória?” (Lc 24,25-26).

Já em Emaús, Jesus sentou-se com eles à mesa, partiu o pão novamente e os serviu. Nesse momento, os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram o Senhor. Nesse momento, Jesus desapareceu e eles permaneceram com Sua Palavra. Aqui temos a essência dessa mensagem. Já com os olhos abertos, eles voltam a Jerusalém para dar testemunho.

A primeira coisa que quero sublinhar é que duas pessoas caminhavam a Emaús, mas ardia um coração. Eles tinham seus corações unidos, porque o fogo da Palavra consolidou a vida desses duas pessoas. Isso aconteceu no caminho, quando Jesus fez o milagre.
"Deus quer fazer um milagre na sua vida, mas você precisa colocar-se a caminho."

Você precisa de um milagre na sua vida? Você está rezando e esperando por um milagre? Vou lhe dar um segredo que vai mudar sua visão diante dos milagres: Deus quer fazer um milagre na sua vida, mas você precisa colocar-se a caminho.

Quantos matrimônios, quantos casais já perderam a ilusão?! Você já não tem mais a mesma alegria e caminha sem ilusão? Se você perdeu a esperança, Deus quer realizar o milagre de fazê-lo acreditar novamente.

Eu sei que quase todas as pessoas perdem a coragem em algum momento da vida. Elas estão decepcionadas com Deus, desiludidas.

Você está decepcionado com alguém? Está decepcionado com você mesmo e com Deus por Ele estar em silêncio, passivo diante das suas dificuldades? Você não é o único, muitos se decepcionam com o Senhor, porque O veem fazer tantos milagres aos outros, mas não receberam aquela graça que pediram a Ele. Não é errado estar decepcionado com o Senhor, pois esse é o princípio para você recuperar sua esperança n'Ele.

Os milagres não são para as pessoas que estão sentadas, mas para aquelas que caminham. Aquilo que esquenta o coração frio é a Palavra de Deus. A luz que aparece em meio à escuridão é Palavra de Deus. Quem precisa dessa luz e do calor no frio da sua vida? A Palavra faz arder o coração, iluminar a vida. Se você já perdeu a motivação e já acredita que sua doença não tem solução, você precisa da Palavra do Senhor.

Se você perdeu a esperança, feche seus olhos e sinta a escuridão. Agora, Jesus está perto de você, caminha ao seu lado e vai lhe explicar as Sagradas Escrituras, porque conhecer a Bíblia é conhecer o Senhor. Ele quer fazer arder o seu coração que está frio.

Abra suas mãos diante de você e faça esta oração: “Senhor, eu preciso de um milagre. A minha família, a minha história precisam de um milagre”.

Jesus, como aos leprosos, diz a você: “Fique em pé. Não faço milagres em pessoas sentadas, preguiçosas. Se você não preenche as talhas com 'água', não posso fazer milagres. Caminhe e os milagres acontecerão. Caminhando se abrem as 'águas do Mar Vermelho'. Caminhando se aquece o coração”.

Não espere por um milagre para caminhar. Caminhe para ver um milagre!